IEST – Instituto de Educação e Saúde de Taquara

Missão, Filosofia e Valores

Missão

A missão do IEST é preparar jovens para serem missionários. Durante um ano, eles são treinados como obreiros bíblicos ou obreiros de saúde num internato situado ao pé da serra de Petrópolis no estado do Rio de Janeiro. Educar o estudante para ser pensante e não mero refletor do pensamento de outrem, e prepará-lo para a satisfação do serviço neste mundo, e para aquela alegria mais elevada por um mais dilatado serviço no mundo vindouro é o encargo do IEST.

 

Filosofia

Acreditamos que a filosofia da educação adventista compreende muito mais do que a preparação para a vida presente. Visa o ser todo, e todo o período da existência possível ao homem. É o desenvolvimento harmônico das faculdades físicas, intelectuais e espirituais. Também acreditamos que Deus findará Sua obra na Terra com tal exército de obreiros como o que poderia fornecer a juventude da Igreja Adventista do Sétimo Dia devidamente preparada. Esse exército será composto de jovens que não se comprem nem se vendam; jovens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; jovens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; jovens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus. Foi para formar essa qualidade de jovens que o sistema educacional adventista foi desenvolvido. Esses jovens devidamente preparados desempenharão um papel fundamental na reivindicação do caráter de Deus perante o universo espectador. Cremos que Jesus ainda não voltou a este mundo, e que ainda não chegamos ao fim do conflito cósmico, porque Deus aguarda essa demonstração que será feita. Portanto, é nossa compreensão que o tema da verdadeira educação está intimamente interligado com o término da obra de Deus na Terra. A filosofia educacional adotada pelo IEST se baseia nos valores promovidos por Ellen G. White, mensageira do Senhor para a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

 

Valores

Acreditamos que aos adventistas do sétimo dia foi confiada a verdade de Deus a ser proclamada ao mundo neste tempo. Aceitamos a Bíblia como nosso único credo e mantemos crenças fundamentais como ensinam as Sagradas Escrituras. Estas crenças constituem a percepção e expressão que a Igreja Adventista do Sétimo Dia sustém com respeito aos ensinos bíblicos. Sustentamos que essas verdades fundamentais foram ampliadas pelos escritos divinamente inspirados de Ellen G. White, cofundadora e profetiza do movimento adventista do sétimo dia. Acreditamos que as Escrituras Sagradas – o Antigo e o Novo Testamento, e os escritos de Ellen G. White, constituem a Palavra de Deus, dada por inspiração divina por intermédio de santos homens de Deus que falaram e escreveram ao serem movidos pelo Espírito Santo.

Acreditamos que Deus é o Criador, Originador, Mantenedor e Soberano de toda a criação, e que Seu Filho encarnou-Se em Jesus Cristo. Por meio dEle foram criadas todas as coisas, é revelado o caráter do Pai, efetuada a salvação da humanidade e julgado o mundo. Jesus sofreu e morreu na cruz por nossos pecados, foi ressuscitado dentre os mortos e ascendeu para ministrar no santuário celestial em nosso favor. Virá outra vez para o livramento final de Seu povo e a restauração de todas as coisas. O Espírito Santo desempenha uma parte ativa com o Pai e o Filho na obra da Redenção. Inspirou os escritores das Escrituras. Encheu de poder a vida de Cristo. Atrai e convence os seres humanos; e os que se mostram sensíveis, são renovados e transformados por Ele, à imagem de Deus. Concede poder para vencer todo o pecado conhecido. Confere dons espirituais à Igreja.

Acreditamos que o homem foi criado à imagem de Deus com individualidade e liberdade de pensar e agir. Quanto à sua natureza, cremos que ele é uma unidade indivisível de corpo, mente e alma, e dependente de Deus quanto à vida e imortalidade. Quando ele desobedeceu a Deus caiu de sua elevada posição e tornou-se sujeito à morte. Seus descendentes partilham dessa natureza caída e de suas consequências.

Acreditamos que Jesus Cristo, quando tomou sobre Si a natureza humana, aceitou os resultados da operação da grande lei da hereditariedade. Em Sua vida de perfeita obediência à vontade de Deus em natureza pecaminosa, em Seu sofrimento, morte e ressurreição, e em Seu ministério sumo sacerdotal, Deus proverá o único meio de expiação do pecado humano, de modo que os que aceitam essa expiação, pela fé, possam ter vida eterna.

Acreditamos que toda a humanidade está agora envolvida num grande conflito entre Cristo e Satanás, quanto ao caráter de Deus, Sua Lei e Sua soberania sobre o Universo. Esse conflito originou-se no Céu, quando Lúcifer, um ser criado, dotado de liberdade de escolha, por exaltação própria, tornou-se Satanás, o adversário de Deus, e conduziu à rebelião uma parte dos anjos. Ele introduziu o espírito de rebelião neste mundo. Observado por toda a Criação, este mundo tornou-se o palco do conflito universal, dentro do qual será finalmente vindicado o Deus de amor.

Acreditamos que os grandes princípios da Lei de Deus são incorporados nos Dez Mandamentos e exemplificados na vida de Cristo. Expressam o amor, a vontade e os propósitos de Deus acerca da conduta e das relações humanas, e são obrigatórios a todas as pessoas, em todas as épocas. Esses preceitos constituem a base do concerto de Deus com Seu povo e a norma de Seu julgamento.

Acreditamos que Deus, após os seis dias literais de 24 horas da semana da Criação, descansou no sétimo dia e instituiu o Sábado para todas as pessoas, como memorial da Criação. O quarto mandamento da imutável Lei de Deus requer a observância deste Sábado do sétimo dia como dia de descanso, adoração e ministério, em harmonia com o ensino e prática de Jesus, o Senhor do Sábado.

Acreditamos que existe um santuário no Céu, do qual o terrestre foi apenas uma réplica. Nele Cristo ministra em nosso favor, operando em nós tanto o querer como o efetuar de Sua boa vontade. Ele foi inaugurado como nosso grande Sumo Sacerdote e começou Seu ministério intercessório por ocasião de Sua ascensão, e em 1844, no fim do período profético dos 2.300 dias, Ele iniciou a segunda e última etapa de Seu ministério expiatório. O juízo investigativo revela aos seres celestiais quem dentre os mortos será digno de ter parte na primeira ressurreição. Também torna manifesto quem, dentre os vivos, está preparado para a trasladação ao Seu reino eterno. A terminação do ministério de Cristo assinalará o fim do tempo da graça para os seres humanos, antes do segundo advento.

Acreditamos que Jesus em breve virá e que Sua vinda será literal, pessoal, visível e universal. Acreditamos que Deus é o único ser imortal, e que Ele concederá vida eterna a Seus remidos. Até aquele dia, a morte é um estado inconsciente para todas as pessoas.

Be Sociable, Share!